Pauta trancada

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

sexta-feira, 16 de março de 2018

Para pensar:

"A covardia é mãe da crueldade."

Michel de Montaigne

Para refletir:

"Pois a flecha não fere os covardes."

Homero

Pauta trancada

Impossível começar a coluna com outro assunto que não seja o assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol) e seu motorista Anderson Pedro Gomes, na noite de quarta-feira, 14, no Rio de Janeiro.

Um fato que já seria duro o bastante mesmo que o contexto não apontasse tão decididamente na direção de uma execução fria e planejada.

Recado?

É importante frisar que tal linha de interpretação ainda precisa ser confirmada, e o jornalismo sério não pode se antecipar aos fatos.

Mas é óbvio que os acontecimentos recentes - sua nomeação como relatora da Comissão da Intervenção na Câmara Municipal do Rio, as recentes denúncias sobre atos de violência contra a população em Acari, a certeza sobre onde ela estava sentada dentro do veículo, a precisão dos disparos e a constatação de que nenhum pertence foi levado - dão a entender que, mais do que uma retaliação, o ato se tratou de um recado intimidatório para toda a sociedade.

Quebrar a corrente

De um jeito ou de outro, o certo é que estamos diante de um daqueles acontecimentos que impõem reflexão e posicionamento.

Até mesmo ignorar significa tomar partido.

E estamos também diante de uma oportunidade de retirar um tijolinho na construção da certeza da impunidade, e de reagirmos de forma elevada, frustrando a previsível escalada de preconceitos e generalizações, que para alguns parece tornar o atentado algo "que lavou a alma", e para outros faz crescer a rejeição generalizada a grupos que só são homogêneos na aparência.

Hora de acordar

A sensação que fica é de que Marielle foi eliminada porque sua voz incomodava, porque mexeu "com os grupos errados", porque expôs o que insiste em ser mantido debaixo de nossos tapetes.

Ora, ninguém precisa concordar com tais posicionamentos.

Ninguém precisa acreditar nas mesmas coisas.

Mas também - e isso é básico para nossa viabilidade enquanto espécie - ninguém pode ter a vida interrompida por agir em conformidade com a própria consciência, ou por estar "no lugar errado e na hora errada", trabalhando como motorista para sustentar a família!

Reducionismo

Vivemos dias nos quais o valor da vida e as infinitas implicações de uma história interrompida encontram-se soterrados pela superficialidade e pela carência de reflexão, pela preguiça de pensar que simplifica e reduz a realidade a apenas duas cores e realimenta medos e preconceitos, fazendo com que desconhecidos matem desconhecidos e tanta gente cresça acreditando que aumentar a violência é a melhor solução para acabar com ela.

Aspas

Em meio a tantas manifestações, o Massimo mais uma vez recorreu à sabedoria do veterano jornalista e professor da UFF, João Baptista Abreu.

"O assassinato da vereadora do PSOL Marielle Franco, 38 anos, é o primeiro desafio para os comandantes da intervenção militar no Rio de Janeiro. (...) O Exército tem a obrigação de dar garantias à Polícia Civil para investigar a execução de Marielle, com todos os requintes de uma ação planejada e realizada por profissionais. Não basta localizar os executores, que a esta hora provavelmente estão fora do Estado do Rio.. É preciso identificar os mandantes.(...) Se este crime permanecer sem solução, a presença do Exército corre o risco de se desmoralizar perante a sociedade."

Voltou!

Conforme a coluna havia antecipado, a mudança de interpretação por parte do Ministério Público alterou os rumos que vinham sendo tomados até então e levou à retomada da transmissão das sessões da Câmara Municipal já nesta quinta-feira, 15, nos moldes até então estabelecidos.

Dever cumprido

A cobertura deste caso custou alguns desafetos ao colunista, mas nenhuma letra publicada seria alterada, se fosse possível voltar ao passado

A coluna desde o princípio disse que torcia pela transmissão, mas que o caso era complexo e deveria ser avaliado pela Justiça.

Tal complexidade ficou mais do que confirmada pelos cinco posicionamentos iniciais da Justiça, e no fim deu-se o melhor dos cenários, que é uma transmissão legitimada.

Provisório

O cenário atual, no entanto, é provisório.

Já na próxima semana o presidente Alexandre Cruz viaja para Bauru, em São Paulo, a fim de conhecer em detalhes o primeiro caso de TV Câmara transmitida em sinal aberto, digital, no Brasil.

Jeito certo

Alexandre sabe que preparar a licitação vai levar tempo, e por isso já trabalha visando a concorrência de uma produtora e uma agência de notícias, nos moldes federais e estaduais.

A expectativa é que a partir de outubro os novos formatos estejam prontos para implantação.

Tomara que sim.

Dia do consumidor (1)

Diversas ações ainda estão programadas para ocorrer em nossa cidade por conta do Dia Mundial do Consumidor celebrado ontem, 15.

A 9ª Subseção da OAB em Nova Friburgo, através da Comissão de Defesa do Consumidor, promove hoje, 16, uma atividade de conscientização na Estação Livre (antiga rodoviária urbana), das 9h às 17h.

Esclarecimentos

O vereador Isaque Demani, que é advogado e preside a citada comissão, informa ainda que serão prestados esclarecimentos à população, não apenas pessoalmente, mas também através da distribuição de material informativo contendo noções sobre o que é ou não permitido, vendas casadas que podem ser denunciadas, e quando o consumidor deve reclamar, com as devidas diferenciações entre produtos comprados em lojas ou compras feitas por catálogo, telefone ou internet.

Vale a visita, portanto.

Resposta

Após o fechamento a coluna recebeu resposta correta enviada pelo parceiro José Nilson para a foto-desafio do teatro do Colégio Anchieta.

Registro feito!

Pergunta

E, para animar a sexta-feira, nada melhor do que mais um belo enquadramento assinado por Regina Lo Bianco, para desafiar o conhecimento dos leitores.

E então, todos sabem dizer que belo lugar é esse?

Boa sorte!

Foto da galeria
Publicidade
Agora Faz
TAGS:

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.