Opacidade oficial

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Para pensar:

Plenário que se opõe a atos de fiscalização e transparência é plenário vendido.

Para refletir:

Críticas de crápulas apontam a direção correta tanto quanto os elogios dos justos.

Opacidade oficial (1)

Na sessão desta terça-feira, 11, a maioria do plenário na Câmara Municipal voltou a se posicionar contra um requerimento de informação - e, por conseguinte, contra a transparência administrativa.

E de novo a postura veio embalada em doses de engodo e desrespeito à inteligência da população, afirmando que o requerimento era desnecessário porque tais perguntas seriam respondidas espontaneamente.

Claro, ninguém tem nada a esconder.

Opacidade oficial (2)

A postura se deu, mais uma vez, através de orientação à bancada de situação a partir da liderança de governo.

Torna-se, portanto, uma postura oficial, vinda do Executivo.

Anacrônica, desrespeitosa, chantagista, suspeita.

Mas oficial.

Exemplo

A situação só voltou a se repetir porque, mais uma vez, parte do governo fez valer o peso das nomeações partidas da Câmara para constranger os vereadores da base a agirem, ao menos em alguns casos, contra aquilo que acreditam.

Com uma maravilhosa exceção.

A vereadora Nazareth Catharina, sempre tão discreta e mais disposta a ouvir do que a falar, foi “mais macho do que muito homem”, e agiu de acordo com a própria consciência.

Aplausos de pé para ela.

Covardia

A postura silenciosa e corajosa de Nazareth foi um vento de ar fresco num plenário que, em sua maioria, vem se deixando amordaçar sob pena de se ver “a pão e água” em termos políticos (e assistencialistas).

Como se o governo não dependesse destes mesmos vereadores até mais do que os vereadores precisam dele.

Créditos

O colunista faz questão também de citar a postura acertada dos vereadores Professor Pierre, Johnny Maycon, Nami Nassif e Wellington Moreira, que mais uma vez votaram a favor da transparência e da fiscalização.

Pierre e Nami, por sinal, deram voz à deliberada tentativa de censura que vem sendo praticada por membros obtusos do governo, com a conivência do plenário.

Por motivos justificados, Alexandre Cruz, Marcinho e Zezinho do Caminhão não estavam na Câmara. Mas, se estivessem, seguramente teriam se unido a este grupo e votado a favor do requerimento.

Até quando?

Diante de tudo o que acontece atualmente em Nova Friburgo, algumas perguntas tornam-se inevitáveis.

Até quando as pessoas vão continuar fingindo que é brincadeira quando um parlamentar repugnante fala publicamente sobre instaurar uma CPI contra determinada concessionária a fim de deixar os empresários “de joelhos”, e deste modo levar adiante tentativas de extorsão, porque “não quer saber de viver apenas com o salário de vereador”?

É normal?

E que tal fazer lobby por determinado grupo de comunicação em troca de favores quando a próxima concorrência for vencida?

Até quando? (2)

Até quando algumas pessoas no governo vão continuar a rir pelas costas do difamador e chantagista profissional, deixando o pobre diabo acreditar que o dossiê que tem em mãos é verdadeiro?

Ninguém vai contar que a peça foi fabricada não?

Mesmo em se tratando de criatura tão patética, que nem ao menos é capaz de esconder quem o financia, o colunista sente piedade de ver alguém sendo ridicularizado dessa forma.

Por que apurar (1)

Ao que parece, os números colhidos durante a sondagem promovida pelo Gappeo feriram algumas sensibilidades.

Em vez de rebater ou mostrar realidade diferente, claro, as vozes do submundo fake fazem o que lhes é próprio: tentam desqualificar.

Mas, como não apuram antes de mirar, sempre acertam os próprios pés.

Por que apurar (2)

Se fossem jornalistas de fato, os pelegos teriam visto que a sondagem não colheu apenas números, mas também nomes.

E basta uma análise superficial dos resultados para ver que grande parte das pessoas que se dedicaram a responder - surpresa! - integram o próprio governo.

Mas, claro, esse é o tipo de coisa que só enxerga quem apura.

Prestando contas

O superintendente regional do Inea, ex-prefeito Rogério Cabral, foi convidado a participar da sessão desta terça-feira, e teve uma hora no início dos trabalhos para prestar contas a respeito de sua atuação à frente da representação regional do órgão estadual.

Aspas

“Gostei muito da apresentação na Câmara. Os vereadores prestaram atenção, as pessoas na assistência também. Foi uma boa oportunidade para falar das metas, da parceria que queremos fazer com vereadores, prefeitos, secretários e a população de modo geral, e do trabalho educativo junto às escolas ensinando as crianças desde cedo sobre a importância de preservar a natureza e desenvolver um compromisso com o meio ambiente”, avaliou Rogério.

Memória ferroviária (1)

Ainda existem boas notícias e iniciativas.

Na manhã desta terça-feira, 11, uma representação da Associação de Preservação e Memória do Patrimônio Ferroviário Barão de Nova Friburgo entregou ao subsecretário de Convênios e Projetos da Prefeitura, André Gomes, uma carta que fala sobre a preocupação em manter preservados os pilares da ponte ferroviária, próximos a Ferragens Haga.

Memória ferroviária (2)

Durante o encontro, o prestativo André prometeu encaminhar os argumentos do grupo à Subsecretaria Estadual de Obras, em reunião a ser realizada nos próximos dias.

Na foto, André Gomes recebe a carta das mãos da empresária Deborah Cunha.

Respostas (1)

Ainda a respeito do imóvel na Rua Augusto Spinelli que abrigou a LBA, a querida Rosemarie Künzel teve a delicadeza de explicar que não houve qualquer contradição entre as respostas publicadas na edição de ontem.

Na verdade, elas foram complementares.

E assim, com a ajuda dos leitores, vamos todos aprendendo um pouco mais sobre essa cidade que amamos.

Errata

O Massimo, no entanto, se equivocou ao listar as respostas.

Chamou Rodrigo Inácio de Rodrigo Anselmo, e pede desculpas por isso.

Respostas (2)

Rodrigo, aliás, é um dos que acertaram também o desafio publicado ontem, 12, da luminária na Avenida Campesina.

Além dele, os amigos Angelo Rangel e Silvio Poeta também somaram mais uns pontinhos em seus cartéis.

Parabéns a todos, a foto não estava nada fácil.

Pergunta

A foto do desafio de hoje foi enviada pelo parceiro Stenio de Oliveira Soares, um dos principais craques da brincadeira.

E aí, os amigos sabem dizer que imagem é essa e onde fica?

Boa sorte a todos.

  • Foto da galeria

  • Foto da galeria

  • Foto da galeria

Publicidade
Agora Faz
TAGS:

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.