Dia especial

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Para pensar:

“A essência da vida é andar para a frente, sem a possibilidade de retorno. Na realidade a vida é uma rua de sentido único”

Agatha Christie

Para refletir:

“Eu posso aceitar a falha, todos falham em alguma coisa. Mas eu não posso aceitar não tentar.”

Michael Jordan

Dia especial

Devido ao recesso na semana do carnaval, a Câmara Municipal realiza hoje, 20, duas sessões ordinárias.

À primeira delas, com início previsto para 16h, é uma das mais importantes do ano, pois servirá para definir a composição das comissões que irão atuar ao longo de 2018.

Ainda vale?

Aliás, neste ano, ainda mais do que em temporadas anteriores, será interessante ver se os apertos de mão dados nos bastidores, longe das câmeras, vão se sustentar diante das conhecidas pressões externas.

Entre os casos que merecem maior atenção, o destaque vai para a manutenção (ou não) de Wellington Moreira à frente da Comissão de Saúde.

Muita gente assumiu o compromisso. Resta ver se a palavra dada ainda vale alguma coisa por aqui.

Para poucos

Infelizmente, ao que tudo indica, as sessões do dia não devem ser transmitidas pela televisão.

Quem quiser ver - e certamente vale a pena - terá de ir ao plenário acompanhar tudo pessoalmente.

Não é o fim do mundo, mas é uma pena não contar com a transmissão desta sessão.

Alternativas

Da última vez em que tratou do tema, a coluna dividiu com os leitores as alternativas mais prováveis de resolução do problema, a partir de apuração junto ao próprio Legislativo.

Logo em seguida, no entanto, o colunista foi lembrado sobre a existência de outras opções de resolução ao alcance do presidente Alexandre Cruz.

Caminhos paralelos

As vozes em questão destacam a possibilidade de realização de um contrato emergencial, ou ainda de um aditivo ao último contrato não paralisado - ambos por tempo limitado.

No fim, todo mundo tem boas intenções e quer a mesma coisa.

Mas, ainda assim, o distanciamento cresceu a tal ponto que abordar o assunto, hoje em dia, é ter a certeza de que vai desagradar ao menos um dos grupos envolvidos.

Apagão

E já que falamos num serviço interrompido, não param de chegar mensagens a respeito da crescente defasagem da iluminação pública em nosso município.

"Às vezes parece que a cidade termina na pracinha do Cônego, porque de lá até a minha casa, no interior do bairro, são mais de 20 postes apagados", desabafou um leitor.

Proposta

É uma situação que ainda vai dar muito que falar, e que já inspirou ao menos uma relevante matéria legislativa.

O projeto de lei 001/2018, de autoria do vereador Zezinho do Caminhão, se propõe a alterar a lei municipal 3.243, de 14 de fevereiro de 2003, no sentido de separar em dois códigos de barra distintos a conta de luz propriamente dita, e a Contribuição de Iluminação Pública (CIP).

Teor

Em essência, o projeto busca informar ao consumidor os valores referentes a cada uma das cobranças.

E não fica por aí, pois também estabelece que o consumidor não poderá ter o serviço cortado se optar por pagar apenas a tarifa de energia elétrica.

Multas

A redação estabelece ainda que o descumprimento da separação das cobranças sujeitará a concessionária à multa diária de mil Ufirs-RJ.

Já o corte do fornecimento por falta de pagamento da CIP resultá - caso o projeto venha a ser aprovado e sancionado - em multa de 100 Ufirs-RJ por consumidor prejudicado.

Amparo

Ainda que o projeto seja curto e sucinto, a justificativa que o encerra é ampla, e voltada quase que exclusivamente a embasamentos jurídicos.

Para quem se acostumou a ler tantos projetos de lei nascidos por aqui, a qualidade do trabalho da assessora Cris Cruzal se faz notar do início ao fim.

Vai ser interessante acompanhar a tramitação e a votação deste projeto.

Moradores X Carnaval

"Sou morador da Avenida Alberto Braune em um dos poucos prédios que possuem garagem, e durante o carnaval (quase que) não posso usar meu carro. Será que a prefeitura não deveria planejar um esquema especial para os moradores que possuem carro e precisam se locomover durante o período? Quem sabe um adesivo e a orientação aos agentes de trânsito para permitirem a circulação destes veículos de forma ordenada e controlada? O que não me parece correto é impedir o direito de ir e vir dos moradores durante todo o carnaval."

Assina a mensagem o leitor Oscar Correia.

Por falar nisso

E já que falamos em ir e vir - os assuntos hoje estão todos intercalados, não é? - algumas palavrinhas sobre a iniciativa da Faol de criar grupos de WhatsApp para manter uma linha direta de comunicação com usuários de linhas específicas.

Foco

A empresa começou por Theodoro, como teste, e o resultado foi tão positivo que em questão de horas um segundo grupo precisou ser formado.

Falta, contudo, um pouco mais de objetividade a alguns participantes.

O objetivo é responder a consultas sobre horários, enquanto um aplicativo com esta finalidade não é disponibilizado.

Não é grupo para ficar dando "bom dia" ou desviando do tema, correto?

Juntos

A coluna se solidariza às pessoas afetadas recentemente pelas chuvas em nosso terceiro distrito, e se coloca à disposição da população no que puder ser útil.

Estamos juntos.

Publicidade
TAGS:

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.