Acompanhamento

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Para pensar:

“Não há solidão mais triste do que a do homem sem amizades. A falta de amigos faz com que o mundo pareça um deserto.”

Francis Bacon

Para refletir:

“A maçã não cai longe do pé.”

Provérbio alemão

Acompanhamento

O deputado federal Glauber Braga (Psol-RJ), protocolou na última quinta-feira, 15, pedido de vista de duas representações feitas por ele mesmo à Procuradoria da República em Nova Friburgo.

O objetivo é "averiguar o que já foi feito pela Justiça até o momento, e também auxiliar, se for necessário, nas apurações".

Primeira

A primeira delas remonta a 13 de novembro de 2015, e alertava que a obra do complexo esportivo e cultural construído na Via Expressa passava por problemas.

A obra iniciou em 2012, e até 2015 o governo federal tinha liberado R$1.438,302.56 - equivalentes a 71,16% do valor total.

Além da obra não ter sido concluída, ela foi depredada. Até o momento, no entanto, não houve retorno a respeito das denúncias.

Segunda

Já a segunda data de 5 de julho de 2017, e trata da paralisação das obras do Hospital do Câncer de Nova Friburgo, bem como das denúncias de que materiais estavam sendo furtados do local.

Esse documento foi protocolado em conjunto com o deputado estadual Wanderson Nogueira, e até o momento os deputados não receberam nenhuma resposta.

Aspas

"Queremos saber como está essa apuração, o que a Justiça já tem de informações e que medidas têm sido adotadas. Quero também colaborar da melhor forma possível para que, se for necessário, eu contribua com mais dados. Não dá é para ficar sem resposta", argumentou Glauber.

Pausa para refletir

"Vivemos em uma cidade (Rio) na qual foram criados aplicativos de celular para informar onde há tiroteios, na qual é preciso planejar com muito cuidado uma ida às comunidades, na qual é preciso checar o noticiário para acessar uma grande via. Isso não deveria ser considerado normal. A violência está para o Rio assim como a seca para o nordeste. E já tem bastante gente se aproveitando disso e pouca gente querendo resolver."

Professor Eduardo Heleno, Universidade Federal Fluminense.

Fala, leitora!

"Já faz algum tempo que escrevi sobre o barulho das motos e, aqui onde moro, na subida das Braunes, não sinto qualquer modificação em relação a este problema que tanto nos aflige. Lei foi feita, blitz foi realizada, mas nada se modificou por aqui. Já entrei em contato com a Polícia Militar solicitando providências, já fui à ouvidoria da prefeitura, mas minhas solicitações foram em vão. O constante barulho ensurdecedor continua a qualquer hora do dia ou da noite. Peço ajuda à coluna mais uma vez para chamar atenção ao problema."

Assina a mensagem a leitora Rosane Avellar Cortez.

Parênteses

Na maior parte das vezes a gente fala para o vento, mas nem por isso vamos deixar de falar, não é verdade?

No marco do bicentenário, existem algumas medidas simples - e acessíveis a partir da devida mobilização social - que poderiam melhorar a qualidade de vida e a autoestima em nossa cidade.

Vejamos algumas delas.

Flores

Nova Friburgo precisa refletir visualmente sua importância nacional no mercado das flores de corte.

A cidade precisa ser florida, precisa de canteiros, com o devido planejamento.

Silêncio
Já passou da hora da cidade se unir de fato em favor do respeito ao silêncio.

Tolerância zero.

Fiscalização, identificação e punição.

E também a regulação de propagandas sonoras.

Harmonia
Precisamos da padronização de nossas principais calçadas, com acessibilidade (de fato) e amigáveis a pessoas com necessidades especiais.

Tais espaços também precisam ser fiscalizados a partir de um código de posturas atualizado, e por uma equipe maior e capacitada.

A cidade precisa ser bonita, convidativa a caminhadas, inclusive para o bem do comércio.

Fiação subterrânea

Dá trabalho e não é barato, mas não se pode imaginar que a união de esforços não seja capaz de alcançar objetivos como a fiação subterrânea, ou outros ainda maiores.

Já faz tempo que Nova Friburgo não agrega algum legado de grandes proporções à sua estrutura, e a atual geração não pode passar em branco neste sentido.

Ciclovias
Já vimos muitos esforços eleitoreiros a esse respeito, mas até o momento ninguém apresentou um projeto concreto, viável e seguro, em tempo hábil para iniciar a construção sem depender - óh surpresa! - de reeleição para o concluir.

Não é fácil, mas também não é impossível.

Não faz sentido

O Massimo diz e repete sempre: nós, aqui em Nova Friburgo, precisamos desesperadamente de autoestima e coragem.

Precisamos ousar e sonhar alto, porque temos potencial (história, clima, meio ambiente, localização) para nos tornarmos um dos dois principais destinos serranos do país.

Não faz sentido algum pagarmos para conhecer lugares fabricados pelos mesmos valores que condenamos sempre que alguém os pretende aplicar por aqui.

Em tempo...

O processo de revitalização que está acontecendo próximo a curva do JJ, em Duas Pedras, é um bom começo.

Para não chorar

Diz-se que o brasileiro precisa ser estudado, entre outras coisas por ser capaz de fazer piada com tudo.

Pois bem, segue mais uma, enviada por um leitor.

"Agora entendo o real motivo de Nova Friburgo estar às escuras. Sabe o que é? Nas comemorações de aniversário, quando chega a hora dos parabéns, sempre tem um que grita "apaga as luzes'. Assim poderemos acender as 200 velinhas..."

Estouro

Última segunda-feira, 19, às 21h05, um transformador estourado obrigou o Hospital Maternidade a funcionar com um gerador durante mais de uma hora.

A situação ganhou contornos políticos e acabou repercutindo rapidamente em diversos grupos de WhatsApp, principalmente porque o reparo sofreu um pequeno atraso em função de certos trâmites burocráticos necessários a consertos corriqueiros, mas se revelaram um transtorno neste caso específico.

O bafafá foi grande...

Publicidade
TAGS:

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.