Repetido em 1968

Há 50 anos

Há 50 anos

Coluna que mostra o que foi notícia em A Voz da Serra 50 anos atrás.

sábado, 24 de fevereiro de 2018

Edição 24 e 25 de fevereiro de 1968

Pesquisado por Guilherme Alt

Manchete:

  • Repetido em 1968 - Friburgo foi a mais procurada cidade para o Carnaval. Enorme o movimento de veranistas e turistas. Número superior a 30 mil pessoas é esperado. Excelente a ornamentação dos principais logradouros públicos. Mobilizados todos os recursos do Executivo para o êxito do tríduo momesco.
  • Exemplo de como funciona a máquina estadual - Há mais de três meses está paralisado no 5º distrito um trator pertencente ao governo estadual e que para ali foi, exclusivamente para média política do inefável dirigente do DER esqueceu dos combustíveis, tratorista, etc…

Pílulas

  • Amplamente noticiada a chegada em Nova Friburgo, no domingo passado, do governador Geremias de Mattos Fontes. Muitíssimo comentada a diminuta presença de agentes no local previsto. Mesmo com a atração do desembarque em helicóptero, somente uma das poucas autoridades deram presença. A verdade é que Geremias não tem a menor popularidade em nossa terra e o fato de vir protegendo certos políticos e auxiliares seus, acobertando-os de faltas graves e de incapacidades administrativas, vem contribuindo sobremodo para que aumente a “frieza” e o pouco caso sobre sua pessoa.
  • Quando se abrirem as urnas no pleito futuro, o atual governador do nosso estado e pretenso candidato a senador da República verá o prestígio de “rabo de cavalo” de uma turma de vigaristas que está em seu derredor, prometendo-lhe tudo isto e o céu também... quem não tem não pode dar.
  • A cidade está realmente com aspecto carnavalesco. A prefeitura, sacudiu para longe a rotina dos últimos anos e enfeitou pra valer os principais logradouros públicos. Muito bem, Friburgo é cidade de veraneio e turismo. É preciso oferecer satisfação aos que nos visitam. Na medida do possível, façamos ressurgir os carnavais antigos de ruas, dos confetes, das serpentinas, dos pierrôs, das colombinas, dos corsos, das brincadeiras sadias, do bom gosto que reinava no tríduo momesco. É necessário restaurar a época dos blocos, ranchos, sociedades etc. A municipalidade precisa tomar a frente de um movimento neste sentido. O investimento é ótimo. Gastar bem, mas gastar o necessário ao ressurgimento do Império do Momo, dos tempos do Zeca Sampaio, Nelson Kemp, Neném de Castro Nunes, do Pisca e de tantos outros líderes carnavalescos.
  • O presidente da Assembleia Legislativa do Estado, o deputado Álvaro Fernandes, que está passando temporada em Friburgo, juntamente com sua família, continua recebendo as mais carinhosas demonstrações de camaradagem do seu vastíssimo número de amigos aqui residentes. O simpático e querido operoso chefe do Legislativo fluminense, é uma figura ímpar de homem e de político, bem merecendo a auréola de simpatia e prestígio de que é alvo. Todos ficam pressurosos para abraçar e bater papo com o citado cidadão, cuja modéstia e prestimosidade são as principais características de sua invejável personalidade.
  • Dentro de poucos dias voltará a sua atividade de 1º secretário da Assembleia estadual o deputado Nicanor Campanário que fraturou o pé, estando imobilizado há três semanas. Político dos mais prestigiados da zona norte fluminense, Campanário tem seu maior reduto eleitoral em Miracema, mas sempre que concorreu a cargo eletivo obteve vitórias e recebeu votação em quase todos os municípios do nosso estado.

Sociais

  • AVS registra os aniversários de: Ernesto Pereira, Max George Cleff (24), Nilza Azevedo, Antônio Américo, Leonides Chevrand (26), José Naegele, Marlene Bastos, Ruy Marra da Silva (2), Raquel Vilaça, Francisco Mastrângelo (3), Dora Wiedmann, José Galeano das Neves (4), Jofre Salerno, Hubert Joepgen (5), Geraldo Namen (6), Carlos Alberto Cardoso, Carlos Pimenta (8), Paulo Murilo Cúrio, Nair Egger (8).

Colunas:

  • João Batista da Silva assina “Retalhos”. “Escrever mensagens ou comentários, com regularidade durante certo tempo, faz com se faça, dos possíveis leitores, aqueles amigos necessários e frequentes aos quais se transmitem os sentimentos próprios. E passam eles a figurar entre os da intimidade. Alegram-se e se conturbam de contentamento e tristeza é a mensagem... Às vésperas do Carnaval, de obrigatório, precisávamos transmitir euforia... Infelizmente hoje somos apenas inquietação. A beleza da cidade eugalanada para os festejos momescos (parabéns aos responsáveis), não diminuiu a intensidade das nossas preocupações”.
Foto da galeria
Publicidade
Agora Faz
TAGS:

Há 50 anos

Há 50 anos

Coluna que mostra o que foi notícia em A Voz da Serra 50 anos atrás.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.