Trilha Sonora

Leo Arturius

Cinema

Leo Arturius é cineasta e assina a coluna semanal analisando a 7ª arte e os filmes em cartaz em Nova Friburgo

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

O cinema começou sem diálogos, o chamado som direto da cena. Mas nunca foi projetado sem qualquer som. Desde a primeira exibição, no dia 28 de dezembro de 1895, no salão indiano do Grand Café de Paris, os irmãos Auguste e Louis Jean Lumière entenderam que precisavam de algo além da projeção das imagens: a música. Durante o início da fase do cinema mudo os filmes eram projetados com algum artista musical se apresentando ao vivo. Havia a preocupação de cativar o espectador para além das imagens. Assim, a música foi se tornando tão importante quanto a imagem, e o cinema, que no princípio utiliza as outras artes para se consolidar, se vê numa mistura delas para criar a sua.

Muitos filmes são mais lembrados pela trilha sonora do que sua importância narrativa, ou mesmo num casamento perfeito entre elas, visto as obras Star Wars, Indiana Jones, Psicose, Rocky etc. Por isso, todo filme é considerado uma obra audiovisual, por não se sustentar apenas com a imagem, mas com som também, que ajuda muito na hora de expressar sentimentos.

A criação de um filme sempre está contida da trilha sonora, mesmo nos filmes dos irmãos Jean-Pierre Dardenne e Luc Dardenne, conhecidos por usar qualquer som fora do ambiente do filme de maneira muito pontual ou nenhum. Escolhi três trilhas sonoras recentes que são sublimes e merecem nossa atenção, pois elas alcançam o coração no momento de assistir ao filme, mesmo não percebendo diretamente.

Carol (2015) – Trilha Sonora: Carter Burwell / Direção: Todd Haynes

Começando com uma melodia de piano, as notas agarram você por sua abertura, puxando todo o seu corpo para uma história de amor que é amplamente contada através de olhares furtivos e gestos delicados. A música corre para a frente com uma força tão inexorável que se parece com o som do próprio destino - é o som das pernas virando gelatina e caminhando em direção ao grande desconhecido como se não tivessem mais escolha. Quando Therese Belivet pressiona seu rosto contra a janela de um táxi e pensa sobre a vida que ela está se negando, cada nota dói com arrependimento quando Burwell lhes permite ecoar de grande para menor e de volta. Quando Carol Aird escolhe a unidade, ela atravessa o túnel em direção a Nova Jersey e, o que quer que aconteça a seguir, derrete a pontuação da maneira que tudo é subsumido por nossas lembranças mais preciosas.

A Rede Social (2010) - Trilha Sonora: Trent Reznor e Atticus Ross / Direção: David Fincher

Tudo se juntou quase perfeitamente no filme, incluindo a trilha vencedora do Oscar de Trent Reznor e Atticus Ross. Transpondo as paisagens sonoras industriais abrasivas que tornam a trilha numa pontuação tão ameaçadora quanto cativante, um acompanhamento perfeito para um aumento de poder do personagem. Suas composições são mais silenciosas do que pensamos, tropeçando durante os diálogos rápidos e sendo apenas perceptível o suficiente para chamar sua atenção, sem se distrair do que está acontecendo na tela. Ouça a trilha só, e você entrará em contato com rara trilha sonora que é digna de sua atenção como o próprio filme.

Sangue Negro (2007) - Trilha Sonora: Jonny Greenwood / Direção: Paul Thomas Anderson

Daniel Day-Lewis não é o único a chamar atenção no filme. O diretor introduziu o guitarrista de Radiohead, Jonny Greenwood, como seu parceiro de composição desse o ano 2000. Devido a regras do Oscar sobre o uso de música pré-existente, foi considerada inadmissível pela Academia. Não importa: o trabalho de Greenwood, que é rígido e lindamente perturbador, é tão memorável quanto o desempenho de Day-Lewis. Todos os 43 minutos valem muito a pena ouvir, tanto como parte do filme como como um trabalho autônomo.Você pode sentir a desolação tanto da paisagem como do mundo interior de Daniel, que é sombrio, vazio e, como as faixas, é impossível sair de sua mente depois que o filme acabou. Feche seus olhos e quase pode sentir o óleo pulsando abaixo do solo.

  • Foto da galeria

  • Foto da galeria

  • Foto da galeria

Publicidade
TAGS:

Leo Arturius

Cinema

Leo Arturius é cineasta e assina a coluna semanal analisando a 7ª arte e os filmes em cartaz em Nova Friburgo

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.