“Sim sala bim!”

Antônio Fernando

Blog do Antônio Fernando

Friburguense, jornalista, 65 anos, taurino e vascaíno. Antônio Fernando atuou em diversos veículos de Nova Friburgo e atualmente é redator das colunas Radar e Impressões onde ele deleita o leitor de A VOZ DA SERRA com suas visões peculiares sobre o mundo.

sábado, 27 de janeiro de 2018

Ilusionismo ou mágica é a arte de encenar truques que envolvem desaparecimentos e transformações utilizando objetos, animais e até mesmo pessoas. O mais antigo registro de uma apresentação de mágica está em um papiro egípcio escrito por volta de 2000 a.C, que conta sobre um mágico chamado Dedi, e relata seu desempenho diante da corte do faraó Kéops.

O primeiro livro na qual surgem descritas as explicações de números de ilusionismo chama-se The Discovery of Witchcraft (A descoberta da bruxaria), e foi escrito por Reginald Scot em 1584 com objetivo de demonstrar que os poderes sobrenaturais não existem. Na língua portuguesa a primeira descrição por escrito de um número de ilusionismo surge no livro Thesouro de Prudentes em 1612 por Gaspar Cardoso de Sequeira em Portugal.

Em 1948 foi fundada a Fédération Internationale des Sociétés Magiques ou FISM (Federação Internacional das Sociedades Mágicas), tratando-se de uma das mais respeitadas organizações da comunidade mágica. É o organismo internacional que coordena os clubes e federações de ilusionistas de todo o mundo, e organiza o "Campeonato do Mundo de Magia FISM" a cada três anos.

O maior mágico

Harry Houdini

Harry Houdini, ativo no final dos anos 1800 e início de 1900, é mais famoso por ser um artista de escape. Ele ganhou fama em uma turnê pela Europa, pedindo diferentes forças policiais para prendê-lo em todas as cidades onde parava. Um de seus escapes mais famosos envolvia sair de de uma camisa de força, enquanto pendurado fora de um arranha-céu. Outro envolvia uma camisa de força de dentro da água, ou fugir de ser enterrado vivo, do qual ele quase não sobreviveu. Houdini, assim como Penn e Teller, perseguia falsos magos e médiums ao longo de sua carreira, desvendando os truques dessas pessoas. Dante percorreu o mundo realizando suas mágicas com uma trupe entre 25 e 40 artistas, tornando-se famoso ao proferir as palavras sem sentido “Sim Sala Bim”, tirado de uma canção infantil dinamarquesa. 

O maior ilusionista

David Copperfield

A longa e ilustre carreira de David Copperfield lhe permitiu tornar-se o ilusionista e artista solo de maior sucesso na história. Aos 19 anos, ele era a atração principal de um show em um grande hotel em Honolulu, Havaí. Em 1977, uma rede de televisão o chamou para produzir um especial sobre magia. Entre suas mágicas, Copperfield já fez a Estátua da Liberdade desaparecer, flutuou sobre o Grand Canyon, e atravessou a Grande Muralha da China. Mesmo aos 56 anos, Copperfield ainda executa muitos shows por semana. Ele foi um dos primeiros mágicos a combinar com sucesso truques de mágica incríveis com grande narrativa.

Hoje, os profissionais de mágica, ou ilusionistas conquistaram o respeito de todo público, independente da idade. As apresentações atuais chamam a atenção pela destreza das mãos, habilidades com ilusões de ótica e criatividade. A rapidez na execução dos truques faz com que o público se encante e entre na apresentação, se envolvendo e aguçando a curiosidade de quem prestigia esta arte.

  • Foto da galeria

  • Foto da galeria

  • Foto da galeria

Publicidade
Agora Faz
TAGS:

Antônio Fernando

Blog do Antônio Fernando

Friburguense, jornalista, 65 anos, taurino e vascaíno. Antônio Fernando atuou em diversos veículos de Nova Friburgo e atualmente é redator das colunas Radar e Impressões onde ele deleita o leitor de A VOZ DA SERRA com suas visões peculiares sobre o mundo.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.