Fies com juro zero

Antônio Fernando

Blog do Antônio Fernando

Friburguense, jornalista, 65 anos, taurino e vascaíno. Antônio Fernando atuou em diversos veículos de Nova Friburgo e atualmente é redator das colunas Radar e Impressões onde ele deleita o leitor de A VOZ DA SERRA com suas visões peculiares sobre o mundo.

sábado, 27 de janeiro de 2018

Fies com juro zero

Cem mil estudantes de famílias de baixa renda poderão contratar empréstimos do novo Financiamento Estudantil (Fies) corrigidos apenas pela inflação. O Conselho Monetário Nacional (CMN) regulamentou os juros reais zero para as operações de crédito concedidas a universitários de domicílios com renda per capita de até três salários mínimos. Sancionada em dezembro pelo presidente Michel Temer, a lei que cria o novo Fies ainda precisava ser regulamentada pelo CMN para que os financiamentos para os estudantes de baixa renda pudessem ser contratados.

Brasil endividado

A Secretaria do Tesouro Nacional estima que a dívida bruta do governo, que inclui tanto a dívida federal como dos estados e as compromissadas, chegue a 74,8% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil este ano. Essa porcentagem, pela projeção, crescerá em 2019 para 76,8% e chegará a 79,2% em 2026. As estimativas estão no Plano Anual de Financiamento (PAF) da dívida pública, divulgado pelo órgão.

*****

De acordo com a secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, o Brasil tem hoje uma dívida muito elevada em relação a países com estágio de desenvolvimento semelhante. De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), países emergentes têm, em média, dívida pública bruta de 48% do PIB.

Comércio no vermelho

As vendas do comércio na cidade do Rio de Janeiro registraram queda de 5,8% no acumulado de janeiro a dezembro de 2017, em relação ao mesmo período do ano anterior. É o que indica a pesquisa Termômetro de Vendas divulgada mensalmente pelo Centro de Estudos do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDLRio), que consultou cerca de 750 estabelecimentos comerciais. Dezembro foi o décimo segundo resultado negativo registrado em 2017.

***** 

O presidente do CDL Rio, Aldo Gonçalves, destaca que o resultado negativo de 2017 refletiu um ano muito difícil para os brasileiros. “Mais difícil ainda para a população do Rio de Janeiro, que passa por uma crise política e econômica sem precedentes. Todo esse cenário caótico atingiu diretamente o comércio, grande pilar e pulso da nossa economia, responsável por mais de 20% dos empregos formais do estado”, acredita Aldo.

Emprego negativo

O saldo de empregos com carteira assinada em 2017 foi negativo, com o fechamento de 20.832 vagas, segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho. Este foi o terceiro ano consecutivo em que o indicador registrou fechamento de vagas — o comportamento foi o mesmo em 2015, quando o país fechou 1,5 milhão de vagas, e 2016, que somou a perda de 1,3 milhão de postos.

Novo reajuste

A Petrobras reduzirá os preços do diesel em 1,3% e os da gasolina em 0,2% nas refinarias a partir deste sábado, 27.

Os reajustes fazem parte da nova sistemática de formação de preços da companhia, em vigor desde julho, que prevê alterações até mesmo diárias para os valores dos combustíveis.

Celulares bloqueados

Em dezembro do ano passado, foram bloqueados mais de 9,2 milhões de aparelhos celulares, um aumento de 20,97% em relação ao mesmo período de 2016. Os números constam do Cadastro Nacional de Estações Móveis Impedidas (Cemi) e foram divulgados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

*****

O cadastro mantém o registro de aparelhos perdidos, furtados ou roubados que estão bloqueados. No total, foram bloqueados, 9.259.697, um aumento de 1.604.875 em relação a dezembro de 2016. O número abrange os aparelhos impedidos por solicitação direta dos usuários às empresas de telefonia móvel e pelo registro de boletins de ocorrência policiais.

Publicidade
Agora Faz
TAGS:

Antônio Fernando

Blog do Antônio Fernando

Friburguense, jornalista, 65 anos, taurino e vascaíno. Antônio Fernando atuou em diversos veículos de Nova Friburgo e atualmente é redator das colunas Radar e Impressões onde ele deleita o leitor de A VOZ DA SERRA com suas visões peculiares sobre o mundo.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.