Celebrações populares

Antônio Fernando

Blog do Antônio Fernando

Friburguense, jornalista, 65 anos, taurino e vascaíno. Antônio Fernando atuou em diversos veículos de Nova Friburgo e atualmente é redator das colunas Radar e Impressões onde ele deleita o leitor de A VOZ DA SERRA com suas visões peculiares sobre o mundo.

sábado, 17 de junho de 2017

Fábula

Juno - Na mitologia romana, Juno é a esposa de Júpiter e rainha dos deuses. É representada pelo pavão, sua ave favorita. Íris era sua servente e mensageira. Sua equivalente na mitologia grega é Hera. O sexto mês do ano, junho tem esse nome em sua homenagem

(Dicionário da Fábula – Ed.Garnier - Paris)

Linha do Tempo

É triste chegar depois de acabada a festa.

Erasmo de Rotterdam

Celebrações populares

Na Europa antiga, bem antes do descobrimento do Brasil, já aconteciam festas populares durante o solstício de verão, que marcavam o início da colheita. Nelas, oferecia-se comidas, bebidas e animais aos vários deuses em que o povo acreditava. Um deles era Juno, esposa de Júpiter, que era considerada a deusa da fecundidade. Nessas festas, chamadas "junônias", as pessoas dançavam e faziam fogueiras para espantar os maus espíritos.

As celebrações pagãs europeias conhecidas como "festas junônias" coincidiam com a data em que a Igreja Católica comemorava o nascimento de São João, 24 de junho. Como, na Europa Antiga, o catolicismo ganhava cada vez mais adeptos, nesses festejos acabou se homenageando também o santo católico. É por isso que no início as festas eram chamadas de joaninas. Os primeiros países a comemorá-las foram França, Itália, Espanha e Portugal.

Foram os jesuítas portugueses que trouxeram os festejos europeus em homenagem a São João para o Brasil. Mas, antes da chegada dos colonizadores, os índios já realizavam festas relacionadas à agricultura no mesmo período. Os rituais tinham canto, dança e comida. As festas de Santo Antônio e de São Pedro só começaram a ser comemoradas mais tarde, mas como também aconteciam em junho, esse conjunto de festejos passou a ser chamado de "festas juninas".

Quem é quem

Antonio

O santo casamenteiro Fernando Bulhões tornou-se Antônio quando entrou para a ordem dos franciscanos. Muitas pessoas fazem promessas a ele para conseguir se casar. Dizem até que algumas mulheres colocam a imagem do santo de cabeça para baixo como forma de forçá-lo a arranjar um marido o mais rápido possível. Sua fama é decorrente de uma premonição que ele teve durante um sermão. O pai do religioso havia sido condenado à forca por assassinato, mas ele chegou a tempo de provar sua inocência. Daí a expressão "tirar o pai da forca". Santo Antônio foi um padre que viveu no século XII e morreu muito jovem - tinha entre 36 e 40 anos. Ele teria ficado famoso ajudando as donzelas a conseguir o dote - bens exigidos para que o casamento fosse realizado.

João

São João era filho de Isabel, prima de Maria (mãe de Jesus). De acordo com a Igreja Católica, foi por milagre que ela e Zacarias, já com idade avançada, geraram um filho. Quando adulto, São João preparou a vinda de Cristo e batizou-o no rio Jordão. Sua festa é tão importante no Nordeste que quase impediu importante votação no Congresso em 1993. O governo só conseguiu manter os deputados nordestinos no plenário porque prometeu reservas em voos que chegavam a tempo para a abertura da comemoração.

Pedro

São Pedro tem as chaves do céu. Como foi um dos pescadores que se tornaram discípulos de Jesus, é o santo padroeiro dos pescadores. Dizem que foi viúvo; então ele é também o santo cultuado pelas viúvas. São Pedro é conhecido como o fundador da Igreja Católica. No seu dia, são realizadas procissões em terra firme e em alto-mar.

Publicidade
Agora Faz
TAGS:

Antônio Fernando

Blog do Antônio Fernando

Friburguense, jornalista, 65 anos, taurino e vascaíno. Antônio Fernando atuou em diversos veículos de Nova Friburgo e atualmente é redator das colunas Radar e Impressões onde ele deleita o leitor de A VOZ DA SERRA com suas visões peculiares sobre o mundo.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.